quarta-feira, 13 de novembro de 2019

Equipe técnica, ligada ao Conselho Municipal dos Direitos da Mulher, está desenvolvendo estudo para a elaboração de políticas públicas que atendam as mulheres em Ribeirão Preto.

Equipe técnica está realizando estudo profundo e técnico para propor Políticas Públicas paras as Mulheres, em Ribeirão Preto.
Fotos: Silvia Diogo


Aconteceu no último dia 09 de novembro, no Centro Cultural Palace, a segunda audiência pública para debater políticas públicas para as mulheres, em Ribeirão Preto. A audiência, que conta com a colaboração de diversas ONGs e entidades civis, da Secretaria da Saúde e profissionais ligadas a proteção da mulher tem como principal artífice o Conselho Municipal dos Direitos da Mulher. A ideia é, mediante uma equipe, ajudar na elaboração do Plano Municipal de Políticas Públicas às Mulheres. De acordo com Silvia Diogo, da Casa da Mulher, a equipe técnica funciona de modo colaborativo, consultivo, ajudando a elaborar diagnósticos e ações referentes à construção do Plano.

terça-feira, 12 de novembro de 2019

Fagulha



Esperanço uma fagulha surgida da luta.
Como crianças pulando catraca
de São João, mitos e neoliberalismos
algo surgirá de nossa labuta
de toda essa indignação 

e olhando para o lado
espelhando nossos vizinhos
nos reconheceremos em cada rosto diverso
dizendo-nos
neste tempo ad versum
"Podemos fazer nós mesmos".

O foco de incêndio
sairá de nossas matas
nossa costa-costas
 e  maria em fúria
mulher renascida
tomará forma de avalanche e carne
sobre este spectrum.

O trabalhador sem tempo para perder questionará: 
"Eu preciso comer e Viver".

A juventude do campo e da cidade
periférica 
questionará:
 "Eu preciso comer e Viver".

Quilombolas,povos indígenas
feministas, LGBTs,
feministas LGBTs
todos questionarão:
"Precisamos comer e Viver".

Crianças sujeito do processo dirão:
"Não queremos essa vida sem vida"
( de sacrifícios ao descanso do patrão).

Esperanço uma fagulha surgida da luta
(crianças pulando catraca de São João)
de esperança
de povo
de porvir.

domingo, 10 de novembro de 2019

Ribeirão Preto: resumo da semana (10/11/2019)


Semanalmente o Blog O Calçadão publica um resumo comentado das principais notícias que agitaram Ribeirão Preto. Confira!

1. 2020: a eleição para vereadores


Algumas alterações com relação a 2016 torna esta eleição para vereadores em 2018 bastante acirrada e difícil para candidaturas do campo popular. Com um prazo de seis meses de domicílio eleitoral o cidadão já pode se candidatar em um município, o que facilita a mudança de candidatos pastores e financiados por grupos empresariais. Não haverá coligação proporcional, obrigando cada partido a ter uma chapa minimamente competitiva. Há a cláusula de desempenho individual, de 10% do quociente eleitoral (que em Ribeirão Preto deve beirar 1600 votos). A boa notícia é que as sobras eleitorais incluirão os partidos que não atingirem o quociente eleitoral. Isso pode beneficiar partidos de esquerda, como PT e PSOL, que terão poucos recursos financeiros mas terão candidaturas com capacidade de votos. Há a possibilidade de se eleger até dois vereadores nesse cálculo: um pelo quociente e outro na sobra. Todos os partidos estão tendo dificuldades na montagem das chapas, principalmente aqueles ideológicos, com poucos recursos. O PSDB, partido do Prefeito, está formando uma chapa forte, que deve contar com as entradas dos brigões recentes Rodrigo Simões (atual PDT) e Maurício Vila Abranches (atual PTB).

2. Clima quente na Câmara: Lincoln pode atropelar Fabiano Guimarães

O grupo majoritário de vereadores formado no início de 2017 denominado G-17 rachou. Esse grupo elegeu Rodrigo Simões (PDT) em 2017, Ígor Oliveira (MDB) em 2018 e o atual presidente Lincoln Fernandes (PDT) em 2019. Mas o acordo que havia sido estabelecido para eleger Fabiano Guimarães (DEM) em 2020 subiu no telhado. Já era esperado. Fabiano tem se destacado em atuar na defesa de pautas do Prefeito, como no caso da terceirização da educação infantil, e a briga por espaço na mesa diretora em ano eleitoral parece que tem estourado para cima do garoto do DEM. Maurício Vila Abranches (PTB) e Adauto Marmita (PR) querem espaço na mesa e, ao que parece, forçaram o racha dos 17. Nessa disputa por espaço e evidência em ano eleitoral, Guimarães poderá ser atropelado pelo atual presidente Lincoln Fernandes, que pode conseguir a reeleição. Dizem que Guimarães sonha com a presidência da Câmara como plano A e com a Secretaria da Educação como plano B. Para o plano B é preciso que o Nogueira se reeleja e que Guimarães, também. Depois, será preciso torcer para que Nogueira continue a achar Guimarães um bom partido.

3. Prefeitura segue plano de terceirização e projeto neoliberal vai se intensificar

A Prefeitura de Ribeirão Preto insiste na expansão de vagas na educação infantil dentro do modelo de terceirização, ou seja, de repassar a responsabilidade da gestão para Organizações Sociais (OSs), que receberão dinheiro público para tocar e contratar funcionários para o serviço público. É um projeto neoliberal que só vai se intensificar com as reformas pretendidas por Paulo Gudes no governo federal. Não haverá mais garantias orçamentárias para manter saúde e educação públicas, que hoje contam com mínimos constitucionais. Vem aí uma draconiana austeridade fiscal, a mola de sustentação do modelo neoliberal de enxugar o Estado para drenar os recursos públicos para o pagamento da dívida pública, os compromissos com o capital internacional e financeiro. Sem investimento público e sem concursos públicos, os serviços atuais tidos como direitos constitucionais passarão a ser cada vez mais mercadorias a serem compradas por quem pode pagar. No que diz respeito às Prefeituras, servidores concursados serão substituídos por funcionários contratados pelas terceirizada (OSs), em um empobrecimento inédito do serviço público brasileiro. Os mais pobres é que vão pagar.

4. A UPA e a saúde pedem socorro

Por falar em falência das Prefeituras, a situação da saúde é gravíssima. Essa semana a Prefeitura foi questionada pelo TCE pela situação da UPA da 13 de Maio. Segundo o TCE, as condições do local são péssimas. A situação da UPA não é exceção na rede pública municipal de saúde. O sofrimento das pessoas é grande quando têm de recorrer a este serviço público. A terceirização na saúde pública é uma realidade há mais de 20 anos. Mesmo assim, os governos municipais não têm condições de fazer o serviço expandir por causa da austeridade fiscal que tende a se agravar. Em Ribeirão Preto, a população aguarda duas UPAs e três AMEs prometidos por Nogueira. Com o pacote de Paulo Guedes, a situação vai piorar e a corda vai arrebentar do lado da população que mais precisa.

5. Para onde vai o dinheiro público? Para os bancos!

Lula dá o tom: anti-Bolsonaro, anti-Moro, anti-Guedes e pró-frente de esquerda

Foto Ricardo Stuckert - São Bernardo 09/11/2019
Neste sábado, com a participação in loco de Filipe Peres (Pelo Blog O Calçadão e pelo Coletivo de Comunicação do MST), Lula foi recebido por milhares de pessoas em frente ao Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo, na segunda aparição e no segundo discurso público após deixar a prisão política em Curitiba após decisão do STF que manteve vigente a presunção de inocência prevista na Constituição de 1988.

Foto Filipe Peres

A liberdade de Lula marca uma nova etapa da luta pelo retorno da democracia no país pós-lava jato. O que aconteceu no Brasil a partir do golpe de 2016, que derrubou sem provas uma Presidente eleita, foi o avanço das forças políticas anti-populares e anti-democráticas. O símbolo maior disso é a lava jato e seus métodos heterodoxos, deflagrados em um ambiente de rebaixamento da política e de ascensão de um movimento seletivo e orquestrado de vendeta política.

sexta-feira, 8 de novembro de 2019

LULA
LIVRE
"Saio daqui sem ódio.
Aos 74 anos, meu coração só tem espaço para o amor, porque o amor vai vencer nesse país.
Eles têm que saber que o nordestino, que nasceu em Garanhuns, que passou fome e que veio para São Paulo e não morreu de fome até os 74 anos de idade, não tem nada que me vença.
Eu saio daqui, quero que vocês saibam, que saio com o maior sentimento de agradecimento que um ser humano pode ter pelo outro.
É o que tenho por vocês.
Não tenho mágoa dos policiais federais, dos carcereiros, de ninguém"

Associação Comunitária de Moradores do Jardim Aeroporto questiona alteração de uso do solo proposto pela prefeitura para o entorno do Aeroporto Leite Lopes

Marcos Valério Sérgio em atividade do Blog O Calçadão.
Foto: Arquivo Blog O Calçadão



O poder executivo, não considerando a pertença das famílias que vivem, atualmente, no entorno do Aeroporto Leite Lopes, pretende criar uma zona industrial no entorno do aeroporto. Para isso, pretende-se alterar a lei de uso do solo daquela região de misto para industrial. Em vista disso, Marcos Sérgio Valério, líder comunitário e membro da Associação Comunitária de Moradores do Jardim Aeroporto, discordando, elaborou duas novas propostas e as justificou o porquê a ideia da prefeitura não leva em conta os populares que ali residem. Leia-as no texto escrito por Marcos Valério Sérgio:

PEC Emergencial é a PEC do Inferno porque a da maldade era a do teto, afirma Alexandre Pastova, Vice Presidente do SSMRPGP

Alexandre Pastova é Vice-Presidente do Sindicato dos Servidores Municipais de Ribeirão Preto, Guatapará e Pradópolis.

Por Alexandre Pastova


A PEC emergencial é muito pior que a lei do teto do MDB e do Temer, além dela engessar ainda mais os investimentos nos serviços públicos, faz o pior: altera a constituição permitindo a redução dos salários dos trabalhadores e trabalhadoras do Serviço Público e , além disso, reduz em 25% os serviços prestados à sociedade e claro que quem mais perde novamente é a parcela desta sociedade que depende do Serviço Público. 

Vitória da UMM! Todas as reintegrações de posse estão suspensas!


A UMM levantará acampamento assim que a ata da reunião de hoje for assinada por todas as partes.
Fotos: Filipe Augusto Peres


A UMM obteve uma conquista importante nesta sexa-feira (8), no Palácio Rio Branco. Todas as ações de reintegração de posse, em Ribeirão Preto, mesmo as comunidades que irão ser regularizadas e que apresentam algum ponto de remoção de famílias, estão suspensas.

quinta-feira, 7 de novembro de 2019

Nota da defesa: Advogados irão se reunir com Lula amanhã

O julgamento das ADCs concluído hoje (07/11/19) pelo STF reforça que o ex-presidente Lula está preso há 579 dias injustamente e de forma incompatível com a lei (CPP, art. 283) e com a Constituição da República (CF/88, art. 5º, LVII), como sempre dissemos.
Após conversa com Lula nesta sexta-feira levaremos ao juízo da execução um pedido para que haja sua imediata soltura com base no resultado desse julgamento do STF, além de reiterarmos o pedido para que a Suprema Corte julgue os habeas corpus que objetivam a declaração da nulidade de todo o processo que o levou à prisão em virtude da suspeição do ex-juiz Sergio Moro e dos procuradores da Lava Jato, dentre inúmeras outras ilegalidades.
Lula não praticou qualquer ato ilícito e é vítima de “lawfare”, que, no caso do ex-presidente, consiste no uso estratégico do Direito para fins de perseguição política.
Cristiano Zanin Martins/Valeska T. Martins

Toffoli vota por prisão só após trânsito em julgado. 6x5, mas a liberdade não é automática.

POR FERNANDO BRITO · 07/11/2019

O voto confuso e cheio de estatísticas de Dias Toffoli, muito preocupado em mostrar que não era a prisão em segunda instância a causa da “impunidade” no sistema judicial – que teve, entretanto, o mérito de mostrar que impunidade é a que acontece na base do Judiciário – acabou por afirmar a questão essencial: a prisão de acusado ou de condenados sem trânsito em julgado de sentenças só pode ocorrer se houver razões para prisões cautelares por perigo à sociedade ou obstrução da Justiça.
A questão, agora, é de como isso repercutirá nos tribunais inferiores.
Os Tribunais Regionais Federais e os Tribunais de Justiça estaduais comunicarão aos juízos de piso a improcedência de suas ordens de prisão? Seria, aliás, a providência obrigatória do Ministério Público, salvo nos casos em que requeressem prisão preventiva?
“A prisão ilegal será imediatamente relaxada pela autoridade judiciária”, Art. 5º, inciso 65 da Constituição Brasileira.
É possível que isso aconteça.

União dos movimentos de moradia ocupam Palácio Rio Branco e cobram um posicionamento do poder executivo que freie as reintegrações de posse em Ribeirão Preto

UMM exige que nenhuma reintegração seja realizada enquanto  a prefeitura não apresentar recursos e programas concretos para a produção de moradia.
Foto: Juscilene Sena



Nesta quinta-feira (7) era esperada uma reunião marcada com o prefeito Duarte Nogueira desde o início de outubro para discutir soluções para as 42.000 pessoas que vivem, atualmente, em ocupações urbanas, em Ribeirão Preto. Entretanto, Nogueira foi para Brasília e o encontro agendado não ocorreu.

ONU condena por 187 votos a 3 bloqueio dos EUA a Cuba; Brasil vota contra pela 1ª vez

Imagem: www.iela.ufsc.br/noticia/cuba-da-vivencia-ao-aprendizado
A Assembleia Geral da ONU condenou nesta quinta-feira (07/11), pela 27ª vez consecutiva, o bloqueio norte-americano imposto a Cuba. Foram 187 votos a favor da resolução condenatória, 3 contra e 2 abstenções. Pela primeira vez, o Brasil se juntou a Israel e EUA e votou contra.

ESQUERDA, O RESGATE DO SONHO

Por: Frei Betto. Sugestão da querida Ir.Eunice Wolff
Pertenço à geração que teve o privilégio de fazer 20 anos nos anos 60: Revolução Cubana, Che, Beatles, Rei da Vela, manifestações estudantis, Alegria, Alegria, Gláuber Rocha, McLuhan, revista Realidade, Marcuse, Maio de 68, João XXIII, naves espaciais etc.

143 cidades podem deixar de existir no estado de São Paulo

A proposta de eliminar os 1.253 municípios está contida no “Pacto Federativo”.
O presidente Jair Bolsonaro (PSL) levou proposta ao Senado, nesta terça (5), prevendo a extinção de até 1.253 municípios com menos de 5 mil habitantes.

De acordo com dados do IBGE, Minas Gerais (231), Rio Grande do Sul (231) e São Paulo (143) liderariam a perda de municípios.

Conheça as cidades que podem ser extintas no Estado de São Paulo.
Por número de habitantes e por ordem alfabética:

Políticas públicas para as mulheres em Ribeirão Preto será tema de Plenária que se realizará no Centro Cultural Palace



O Conselho Municipal dos Direitos da Mulher realizará no próximo dia 9, no Centro Cultural Palace uma plenária sobre o Plano Municipal de Políticas para as Mulheres de Ribeirão Preto.

quarta-feira, 6 de novembro de 2019

União dos Movimentos de Moradia ocupam a Praça Palácio do Rio Branco



Esgotado o prazo de 30 dias, cerca de 3000 pessoas ficarão na rua, caso o prefeito não atenda o pedido de parar as reintegrações.
Fotos: Filipe Augusto Peres
Nesta quarta-feira (6) a UMM voltou a ocupar a Praça Palácio Rio Branco, em frente à prefeitura reivindicando a interrupção dos processos de reintegração de posse movidos pelo poder executivo contra os moradores das ocupações urbanas.

Políticos, jornalistas e artistas estranham e questionam obstrução judicial sobre as gravações da portaria pelo Presidente da República




Políticos, jornalistas e até artistas como Zélia Duncan estranharam a atitude de Jair Bolsonaro de pegar a gravação em que "um Jair" atende o interfone e autoriza a entrada de um dos assassinos da socióloga e vereadora Marielle Franco (PSOL/RJ).

terça-feira, 5 de novembro de 2019

Pacto federativo de Bolsonaro e Paulo Guedes ataca a Saúde e a Educação, afirma Daniel Cara.


Novo pacto federativo retirará mais dinheiro da Educação.
Foto: Filipe Augusto Peres

O novo pacto federativo proposto, hoje, por Bolsonaro e Paulo Guedes transferirá dinheiro público para o mercado financeiro e já começa a ecoar a oposição a mais essa espoliação do dinheiro público. O educador e Coordenador Nacional da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, Daniel Cara criticou em sua rede social o pacto federativo proposto. 

À convite do Curso de Direito da USP/Ribeirão, CUT realiza palestra aos estudantes


Os sindicalistas Edson Fedelino e Leandro Pagliotto conversaram com os estudantes do curso de Direito da USP.
Fotos: CUT
Nesta terça-feira, à convite do Curso de Direito da USP, os sindicalistas Edson Fedelino e Leandro Pagliotto, da Central Única dos Trabalhadores (CUT) ministraram uma palestra aos estudantes uspianos sobre como funciona um sindicato trabalhista. Durante as falas, os sindicalistas abordaram temas como acordo coletivo e financiamento sindical.

Artistas protestam no STF contra censura


Assista no canal do Blog O Calçadão no youtube os depoimentos contundentes dos artistas. 

“Censura não se debate, censura se combate”, afirmou a ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal, logo no início de audiência pública, nesta segunda-feira (4), sobre decreto do governo que alterou a estrutura do Conselho Superior do Cinema. O STF analisa a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 614, da Rede, que vê uma tentativa de esvaziamento – e de censura – no Decreto 9.919, de 18 de julho, que transferiu o Conselho do Ministério da Cidadania para a Secretaria da Casa Civil e reduziu o número de membros do colegiado. “Há uma Constituição democrática em vigor, e é responsabilidade de todos impedir que a liberdade seja de novo restringida, cerceada ou cassada”, disse a ministra, que é a relatora da ação. “A cultura é a expressão da cultura de cada povo.”

Denúcia: O descaso com os moradores do Cristo Redentor não acaba.

Sem água, mães  e pais fizeram fila no sol na esperança de que seus filhos possam ter acesso à educação no lugar que escolheram para viver.
Foto: Movimento Creche Já!


Por Movimento Creche Já!

 Hoje começaram as inscrições para vaga na Creche do bairro e a situação foi caótica. Uma fila enorme, mães e pais com seus filhos aguardando no Sol, apenas uma pessoa atendendo e não tinha água para beber.

segunda-feira, 4 de novembro de 2019

Em Ribeirão Preto, Marighella é relembrado em ato e panfletagem por partidos de esquerda, sindicatos e ativistas


Ato em homenagem à Mariguella contou com a participação do PT, PSOL, Unidade Popular, CUT, MST, Oposição Conlutas e Articulação Sindical.
Fotos: Filipe Augusto Peres
No ano de 1969 Carlos Marighella já era um símbolo da luta popular. Ele já havia participado da Intentona Comunista, em 1936 e preso nas manifestações de 1 de maio daquele mesmo ano. Torturado pelo governo Vargas,  Marighella seria preso ainda mais duas vezes antes de ser emboscado: uma durante o governo de Getúlio e outra já em plena Ditadura Civil-Militar (1964-1985). Entretanto, em 4 de novembro de 1969, emboscado pelo Departamento de Ordem Política e Social (DEOPS), comandado pelo delegado Sérgio Paranhos Fleury, acabou assassinado. Marighella, herói popular foi lembrado em Ribeirão Preto e em diversas capitais brasileiras por partidos de esquerda, sindicatos trabalhistas e ativistas e movimentos sociais. No local, trabalhadores panfletaram e conversaram com a população sobre a importância de se lembrar de  Marighella nos dias atuais.

Com participação do trabalho cênico da Kiwi Cia de Teatro sobre a biografia de Pagu, Lilian de Lima discute o feminismo entre 1919 - 2019.

Após o espetáculo haverá um debate sobre feminismo, revolução e arte.
Arte: Kiwi Cia de Teatro



A Kiwi Cia de Teatro colaborará oao espetáculo "Pagu, anjo incorruptível", sobre a obra e vida da escritora, artista plástica, dramaturga, ativista política, cultural e feminista Patrícia Galvão, a Pagu. Após o trabalho cênico, um debate, mediado por Lilian de Lima, sobre a condição da mulher em um espaço de 100 anos acontecerá. o release da peça abaixo:

domingo, 3 de novembro de 2019

Moradores do Cristo se organizam para cobrar o Poder Público

Moradores dialogaram sobre a necessidade de mobilização e cobranças por melhorias no local.
Fotos: Danilo Valentim

Após criar a sua Associação de Moradores, as famílias do bairro Cristo Redentor, com mais de 30 mil habitantes, na zona oeste de Ribeirão, se organizam para cobrar do Poder Público municipal os serviços públicos fundamentais para o bairro.

sábado, 2 de novembro de 2019

Nota de repúdio e pesar pelo assassinato do guardião Paulo Paulino Guajajara 02/nov/2019


Os povos indígenas em todo mundo são responsáveis pela preservação de 80% da biodiversidade.
Foto: Filipe Augusto Peres


Maranhão, 2 de novembro de 2019 – É com profunda tristeza e revolta, que nós, da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB), vimos a público denunciar e prestar solidariedade ao Povo Guajajara pelo assassinato do guardião Paulo Paulino Guajajara após o grupo dos agentes florestais indígenas “Guardiões da Floresta” ter sido emboscado por madeireiros dentro de seu próprio território. O líder indígena guardião Laércio Guajajara também foi ferido, ele está internado e seu quadro é estável.

Sônia Guajajara denuncia assassinato de liderança indígena, no Maranhão

TI Araribóia, na região de Bom Jesus das Selvas ,no Maranhão.



Em sua conta, no Instagram, a coordenadora da Apib (Articulação dos Povos Indigenas do Brasil), Sônia Guajajara, denunciou a morte do Guardião da Floresta, Paulino Guajajara. Paulino foi emboscado por madeireiros na terra indígena Araribóia, na região de Bom Jesus das Selvas, no Maranhão. 

Ribeirão Preto: resumo da semana (2/11/19)

Semanalmente o Blog O Calçadão publica um resumo comentado das principais notícias que agitaram Ribeirão Preto.

1. Fórum de Movimentos Populares reúne mais de 30 entidades

No último sábado, dia 26 de outubro, mais de 100 participantes, representando mais de 30 movimentos sociais, entidades da sociedade civil e partidos políticos (notadamente PT e PSOL) lotaram o salão superior do Sindicato dos Químicos em Ribeirão Preto. Nas falas, predominou a preocupação com a democracia e os direitos, principalmente diante da atual conjuntura de avanço conservador em aliança com o modelo neoliberal liderado pelo capital financeiro.

2. Consequências do Fórum


Os movimentos presentes definiram a necessidade de construção de um calendário unificado de lutas, além da necessidade em se elaborar um programa anti-neoliberal, democrático e popular para Ribeirão Preto sob o ponto de vista dos movimentos sociais. Restou claro o entendimento de todos de que o Fórum é um espaço de articulação política e de união de forças, a partir das demandas e lutas concretas de cada movimento. Principalmente, o Fórum é um espaço de rearticulação das forças populares e de esquerda em Ribeirão Preto com vistas para além do calendário eleitoral.

3. Frente de esquerda: é possível em Ribeirão Preto?

A presença importante dos Presidentes locais de PT e PSOL no encontro do Fórum, além de dezenas de militantes dos dois partidos mais representativos do campo de esquerda na cidade, acendeu os debates em torno de uma aliança de esquerda em 2020. Formalmente as conversas ainda não aconteceram, mas a conjuntura e as lutas cotidianas conspiram para isso. Há um longo caminho ainda a ser construído, mas seria muito importante se as conversas avançassem. Ribeirão Preto terá uma disputa na centro direita, com Nogueira (PSDB), Ricardo Silva (PSB) e Gandini (PSD) disputando praticamente no mesmo campo. Nenhum representa a ruptura com o modelo neoliberal e todos estão muito próximos das narrativas lavajatista e anti-petista construídas nos últimos anos e que, a rigor, permitiram o fenômeno Bolsonaro. A extrema direita, com seu discurso militarista e armamentista também terá seus candidatos. Isto abre um espaço à esquerda, uma oportunidade de construção e defesa de um projeto diferente que restabeleça o diálogo com a população e crie condições para o debate de uma cidade mais democrática e inclusiva, além de um programa anti-neoliberal. A conferir.

4. A previdência chilena e o abraço de Nogueira em Paulo Guedes

sexta-feira, 1 de novembro de 2019

DROPS DO MARCÃO NO BLOG O CALÇADÃO 01/11/2019

Drops do Marcão - Professor Marco Leonetti via facebook

THE GUARDIAN -
 Fake News durante a eleição no Brasil favoreceram Bolsonaro: Em uma amostra de 11.957 mensagens virais compartilhadas em 296 grupos de WhatsApp no período da campanha, aproximadamente 42% dos itens da direita continham informações falsas.

União dos Movimentos de Moradia (UMM) realizam reunião na Nazaré Paulista enquanto aguardam o encontro acordado com o Prefeito, no próximo dia 7


Reunião na Nazaré Paulista debateu o problema das comunidades que podem sofrer reintegração de posse.
Fotos: Rodrigo Lemão



Foi realizada na Comunidade “Nazaré Paulista”, em Ribeirão Preto, na última terça-feira, 29 de outubro, uma reunião entre os movimentos de moradia para debaterem o fim do prazo de 30 dias  de suspensão das reintegrações   e o encontro que acontecerá no próximo dia 7 de novembro, quinta-feira, às 16:00, no Palácio do Rio Branco com o atual prefeito.

BOLSONARO ACABA COM A MORADIA POPULAR!

foto: paulo honório / jdm.aeroporto-rib.preto-sp
Na tarde do dia 31 de Outubro foi anunciando pelo Ministro a Morte a "minguá" do programa Minha Casa Minha Vida e das demais políticas de desenvolvimento andamento mobilidade urbano . A decisão política do governo está demonstrada na proposta de orçamento para os próximos anos , que não garante recursos necessários para as obras que já estão contratadas que devem sofrer atrasos e dificuldades de toda ordem. Para piorar a situação milhares de famílias que aguardam a contratação de novos projetos em acampamentos e ocupações podem ser despejadas sem nenhuma alternativa de programa habitacional


NOTA PÚBLICA: BOLSONARO ACABA COM A MORADIA POPULAR!

"Em reunião dos movimentos nacionais urbanos e rurais com o Ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, foi anunciado o fim do Minha Casa Minha Vida, e que não haverá novas contratações.

Em Amsterdã, estudantes, professores e indígenas debatem a questão indígena no país

Fotos: Mídia Ninja.



Por Mídia Ninja

Na quinta-feira, (31), na Universidade de Wageningen em Amsterdã, centenas de estudantes e professores participaram de um debate com as lideranças indígenas da APIB onde foi relatada a atual realidade do Brasil no que tange aos direitos humanos e ambientais.

quinta-feira, 31 de outubro de 2019

Movimentos sociais voltam às ruas para exigir ‘Basta de Bolsonaro’

Movimentos sociais convocam trabalhadores, estudantes e a sociedade organizada a voltar às ruas dia 5 de novembro, em todo país. O objetivo é cobrar mudanças na economia, defesa da democracia, dos direitos e justiça para Marielle.
Por Walter Félix, do PCdoB na Câmara
Richard Silva/PCdoB na CâmaraFlávia Calé, Guilherme Boulos, Iago Montalvão, Pedro Gorki e Raimundo Bonfim

Após protesto nesta quarta-feira (30), em Brasília, movimentos sociais convocam trabalhadores, estudantes e a sociedade organizada a voltar às ruas dia 5 de novembro (terça-feira), em todo país. O objetivo do movimento é cobrar mudanças na política econômica, uma agenda de desenvolvimento, defesa da democracia, dos direitos e punição para os mandantes do assassinato da vereadora Marielle Franco e seu motorista Anderson Gomes.

quarta-feira, 30 de outubro de 2019

O problema da creche do Cristo Redentor e a desfaçatez como discurso público


Sem resposta imediata à população para o problema da creche no bairro Cristo Redentor, vereadora culpou educadores contrários à terceirização da educação. Enquanto isso, crianças continuam sem uma escola em seu bairro.


Por Danilo Valentin
Integrante da Aproferp

Reiventaram o conceito de cinismo. Longe da atitude filosófica, mais para cara de cara de pau,  a vereadora, Gláucia Berenice (PSDB), ao ser questionada pelo professor Ramon Faustino no programa "Mentoria 2020", na semana passada, à respeito da situação da creche Cristo Redentor, argumentou que um dos papéis dos vereadores é fiscalizar o executivo.

segunda-feira, 28 de outubro de 2019

Por ocasião do Fórum dos Movimentos Populares de Ribeirão Preto-SP: em Defesa da Democracia e dos Direitos.


Ocupação do MST no interior de São Paulo.
Foto: Arquivo


Por Frederico Daia Firmiano
da Direção Estadual do MST de São Paulo

No último dia 26 de outubro ocorreu mais um encontro do Fórum dos Movimentos Populares de Ribeirão Preto-SP, na sede do Sindicato dos Químicos, reunindo mais de 30 entidades, movimentos sociais, sindicatos e partidos de esquerda. Legatário de uma experiência de mais de 30 anos, entre continuidades e descontinuidades, o Fórum foi rearticulado em 2016 e chega a 2019 com a tarefa urgente de se colocar como alternativa de esquerda contra o avanço das forças mais conservantistas da sociedade brasileira e seu programa ultraneoliberal. Mas para tanto, algumas questões (de diferentes níveis e alcance) carecem ser enfrentadas, como as que estão, entre tantas, sumariamente indicadas (e ausentes de seu devido desenvolvimento teórico, em razão do espaço desta brevíssima intervenção).  

domingo, 27 de outubro de 2019

Movimentos se reúnem em Ribeirão Preto: democracia e direitos




Neste sábado, 26 de outubro, mais de 100 representantes de mais de 30 entidades de Ribeirão Preto e uma da região, estiveram reunidos no Sindicato dos Químicos para mais um encontro do Fórum de Movimentos Populares.

O Blog O Calçadão esteve presente ao encontro.

Jeziel Paiva e sua rabeca

O Fórum é um instrumento de diálogo e atuação conjunta das mais diversas entidades e movimentos que atuam em defesa dos direitos e da democracia na cidade. É um instrumento de urgência e de ação política baseado na horizontalidade e que sempre se reorganiza quando os direitos e a democracia exigem.

Conforme se apurou das conversas, nem o mais otimista dos participantes imaginava que o salão superior do Sindicato dos Químicos, construído para comportar até 120 pessoas, fosse estar repleto de gente.


Nas falas, era possível sentir o entusiasmo dos participantes. A linha anti-neoliberal deu o tom. O entendimento de que os espaços democráticos de atuação popular e as próprias lutas e a existência dos movimentos estão em risco, também.

Algumas lideranças pontuaram que o conjunto da esquerda, derrotado a partir do golpe de 2016, precisa se reorganizar. Alguns mencionaram os acontecimentos recentes no Equador e no Chile como exemplos de que o projeto neoliberal é um projeto falido e que a rebelião popular é apenas uma consequência disso. Assim, a reorganização do conjunto da esquerda é necessária para dar conta dessa realidade, segundo algumas falas.

Uma frente popular e anti-neoliberal é possível em Ribeirão Preto - Ricardo Jimenez


Neste sábado, 26 de outubro, mais de 100 representantes de mais de 30 entidades de Ribeirão Preto e uma da região, estiveram reunidos no Sindicato dos Químicos para mais um encontro do Fórum de Movimentos Populares.

Estive lá representando o Blog O Calçadão.



O Fórum é um instrumento de diálogo e atuação conjunta das mais diversas entidades e movimentos que atuam em defesa dos direitos e da democracia na cidade. É um instrumento de urgência e de ação política baseado na horizontalidade e que sempre se reorganiza quando os direitos e a democracia exigem.

O primeiro Fórum a ser organizado foi em 1979, onde as forças políticas construíram o debate sobre a Lei de anistia, no processo de abertura política no final da ditadura militar. 

Depois, no final dos anos 1980, os movimentos voltaram a se organizar num Fórum pela cidadania, responsável por debater e encaminhar dezenas de propostas populares para o processo de elaboração da Lei Orgânica do município, na esteira da consolidação da redemocratização pós Constituição de 1988. Muitas lutas e muitas conquistas concretas foram organizadas e feitas na primeira metade dos anos 1990 pelas entidades e lideranças participantes daquela jornada.

Mais tarde, no ano 2000, já refletindo a luta contra o modelo neoliberal que tomava a América latina de assalto, dezenas de movimentos sociais, ativistas e partidos políticos de Ribeirão Preto voltaram a se reunir no Comitê Contra a ALCA, em uma luta que envolveu todo o país e que saiu vitoriosa.

A crise brutal do capitalismo, cuja explosão se deu em 2008, jogou o mundo em profundas incertezas e fez com que as forças do capital se unissem em mais uma ofensiva contra os direitos de quem vive do trabalho e contra a soberania dos Estados nacionais. O que resta de políticas de bem-estar social, construídas pela mobilização popular ao longo do século 20, está sendo varrido mundo afora na onda neoliberal formada.

Os lucros do capital a partir da exploração do trabalho e da subordinação dos Estados nacionais foram sendo canalizados para o capitalismo financeiro, a atual e mais brutal fase exploratória do capitalismo.

Nos últimos 10 anos o mundo está sendo sacudido. Manifestações populares pipocaram e pipocam mundo afora, inclusive no Brasil em 2013 e, atualmente, na América do Sul, dentro desse cenário de incertezas e de angústias. As forças populares, de esquerda, centro-esquerda, social democratas e trabalhistas estão sendo acossadas pelo avanço do neoliberalismo cada vez mais em aliança com forças de direita e extrema direita. 

Os espaços democráticos estão sendo restringidos e a exclusão social, a pobreza, a concentração de renda, a xenofobia e a violência de classe, de gênero, de raça e de orientação sexual prosperam no Brasil e no mundo, com o apoio de movimentos de direita criados e financiados pelas forças reacionárias do grande capital.

No Brasil, a legítima e necessária vontade popular de combater a corrupção em prol da melhoria dos serviços públicos e da ética na política foi manipulada por um sistema político seletivo que serviu ao processo de golpe na democracia que derrubou uma Presidente honesta em nome de um projeto de poder elitista e neoliberal.

Dentro dessa conjuntura, o atual Fórum de Movimentos Populares foi reorganizado em 2016, no bojo do processo do golpe contra a democracia perpetrado por forças do atraso e adeptas da reintrodução de um projeto neoliberal ainda mais violento do que aquele introduzido nos anos 1990, que não foi rompido mas mitigado pelas políticas sociais, de distribuição de renda e de garantia de direitos dos governos de Lula e Dilma (2003-2016).

Naquela época, as dezenas de entidades participantes já apontavam a necessidade de se combater o neoliberalismo, representado pelo projeto 'Ponte para o Futuro' construído pelo governo oriundo do golpe de Temer (MDB) e do PSDB, e de se pensar e defender um projeto inclusivo, democrático e transformador para Ribeirão Preto.

De lá para cá o cenário piorou muito. A extrema direita chegou ao poder com um projeto de cunho autoritário e ultraliberal. O desemprego, a retirada de direitos trabalhistas e sociais, o desmonte do Estado, a concentração de renda, a pobreza, a violência de classe/gênero/etnia/sexual e a restrição dos espaços democráticos se agravaram. As próprias organizações populares e suas lutas estão sob ameaça de criminalização.

Em Ribeirão Preto há 45 mil pessoas morando em favelas, 3 mil morando nas ruas, a saúde e a educação públicas estão sofrendo um desmonte, o serviço público está sendo enfraquecido, a desigualdade social cresce e as demandas dos bairros são esquecidas. Ribeirão Preto vê intensificado seu caráter concentrador de renda, excludente, desumano e violento contra os mais pobres e os que vivem do trabalho.

Diante disso, mais uma vez o Fórum de Movimentos Populares se reúne. Em todas as falas nas mais de três horas de reunião o apontamento da necessidade de se construir uma alternativa popular que garanta democracia e direitos para todos. Não há outra saída diante do avanço neoliberal e sua política falida. A presença maciça de militantes do PT e do PSOL, incluindo seus Presidentes municipais, indica um início de um importante debate político: a possível formação de uma Frente de Esquerda em Ribeirão Preto, apontando para além do cenário eleitoral, apontando para a organização política real que busque plantar uma semente de reconstrução de pontes com o povo e a cidade de Ribeirão Preto.

Torço para que esta sinalização avance e se concretize em um programa correto, moderno, antenado com o que acontece no mundo, com lastro na luta real e que frutifique, pois a luta anti-neoliberal é a única saída. Não há mais espaço para a acomodação pragmática ou para a mesmice política.

Ricardo Jimenez - Blog O Calçadão

quinta-feira, 24 de outubro de 2019

Drops do Marcão no Blog O Calçadão - 24/10/2019

MERA OPINIÃO - E AGORA JOSÉ "POSTO IPIRANGA" ?? - PREVIDÊNCIA 1 e 2 - MODELO PARA PAULO GUEDES - EMBAIXADOR DE HAMBÚRGUER - CARTÃO CORPORATIVO - APOCALIPSE - MEC

MERA OPINIÃO
Interpelado oficialmente pelo Supremo por ter acusado ONGs de serem responsáveis pelas queimadas na Amazônia, Bolsonaro respondeu que foi "mera opinião" e que "apenas" fez "discurso político".
Mas que barbaridade! Até onde vai a irresponsabilidade desse senhor???

Prostituta sim, professora não! Por Celso Correia

     
Ilustração / Geni e o Zepelim
       Dias atrás ganhou grande repercussão em algumas redes sociais o fato de, em se pesquisar o significado da palavra professora no dicionário da empresa Google ter como resultado, além do significado daquelas que exercem o magistério, o das mulheres que iniciam alguém na vida sexual.

        O emprego da palavra professora, dentro do significado questionado, não é dirigido para maldizer a categoria profissional que trabalha com educação, mas sim aproveitar da característica principal - alguém que ensina - para fazer a ponte com a situação daquele que esta diante de alguém que lhe iniciará na vida sexual. O que dará o tom jocoso ou ofensivo não será a palavra por si própria e seu significado estanque de outras frases e ideias, mas o contexto na qual a mesma será empregada. Vamos exemplificar um pouco com a realidade da juventude preta e pobre das periferias urbanas. Cidadão. Que palavra bonita, não é? Mas proferida pelo policial ao jovem preto e pobre da periferia numa truculenta blitz, vira o quê? Disciplina. Não é o conteúdo de determinada área do conhecimento a ser ministrado pela professora, mas sim o responsável, dentro da hierarquia do crime em coibir violentamente aqueles que ferem as regras da organização. E o pirriu. Essa nem muitos dicionários apresentam. Antigamente, vigilante, guarda noturno. Atualmente é como adolescentes e jovens detidos no sistema prisional brasileiro chamam os que trabalham na vigilância dos próprios detentos. Agora, por favor, levante a mão quem conhecia uma dessas palavras. Agora duas. As três. Pessoalmente  confesso com vergonha que aprendi a última há semanas atrás, uma vez que moro no país com a terceira população carcerária do planeta. Eu e vários da minha família já trabalhamos como faxineiro. Devo denunciar os roteiristas dos seriados policiais da Netflix por usar a palavra em suas tramas quando o faxineiro, cúmplice de um grande e violento criminoso, os chama para se livrar dos corpos e limpar toda a cena do crime? Fico preocupado com esses roupantes puristas que podem roubar a riqueza de significados e infinitas combinações das palavras e expressões. Denunciar o Google ou a Netflix é fácil. Empresa global de tecnologia da informação e entretenimento, respectivamente, são muito conhecidas e bem capitalizadas. Pode dar visibilidade e até um dinheirinho. No mínimo uma lacração em rede social. Coragem mesmo seria denunciar, no caso do falso dilema da palavra professora, Mário de Andrade, poeta, escritor e um dos principais responsáveis pela Semana de Arte Moderna no Brasil, em seu livro “Amar verbo intransitivo”. Do fundo do seu coração, responda. Conhecendo a biografia de Mário de Andrade e esse livro aqui indicado, o autor quis ofender a categoria profissional dedicada ao magistério, majoritariamente composta por mulheres? Pelo amor de Deus, não, nunca! Pode-se extrair várias interpretações de uma obra, mas nessa, Mário de Andrade põe o dedo na ferida ao expor a hipocrisia de uma sociedade machista, patriarcal, composta por famílias com pessoas, ditas, de bem (Opa! Parece que tenho ouvido isso nos dias atuais.) e que insere uma personagem prostituta no seio da família certinha, como instrumento alegórico literário que faz a ponte daquilo que realmente acontecia dentro das famílias de bem – a prostituta disfarçada como  elo entre o profano e o sagrado. Se Mário de Andrade, esse morto tão vivo graças a literatura estivesse presente no nosso dia-dia, assim como se fala de futebol nos bares da esquina essa polêmica nem existiria. Lembrei-me agora de Jorge Amado. Deve estar se revirando no túmulo também.

        É estranho que pessoas das mais variadas matizes ideológicas defensoras das liberdades individuais e direitos sociais tenham se apegado a essa questiúncula com tanta força. Como diria um amigo meu em relação aos liberais que se curvam ao corporativismo imediatista que mama nas tetas do Estado ou ao conservadorismo nos costumes, são liberais até a página dois. É estranho porque nós precisaremos também das prostitutas para melhorar esse pais. Para conversar sobre aborto, rede de atenção à saúde da mulher, exploração sexual e violência contra a mulher. E no campo do pensamento imaginário auxiliar na desconstrução de tanta preocupação e discurso moralista com o que cada um faz com seus orifícios. Ressalva. Exploração sexual e pedofilia é crime.  É estranho porque essa caça às bruxas percorrendo nosso vernáculo - isso pode, isso não pode  - é típico de posições autoritárias em relação ao expressar-se. De quem flerta com a censura. Hoje em dia isso é protagonismo da direita bolsanarista-olavista. É estranho porque a educação pública e gratuita, em todos os níveis, está sob ataque de viés neoliberal-mercantilizador (terceirização de professor e de equipe gestora, extinção de direitos trabalhistas, fomento ao EAD – educação à distância de baixa qualidade, arroxo salarial, cortes nas verbas orçamentárias). A reforma da previdência empobrecedora do povo e engordadora do sistema financeiro nacional e internacional foi aprovada no senado. Essas são a prioridade da luta. Desmascarar as falsas benesses desses modelos junto à sociedade. Assim posto, nós, prostitutas e professoras estamos no mesmo barco, porém sem as mãos no leme. O título do artigo é um jogo de palavras com o título de um escrito famoso do educador Paulo Freire - “Professora sim, tia não” para lembrarmos que quem já tem voz e grita muito, as vezes não ouve e se esquece daquelas que tem pouca voz em nossa sociedade.

                 Curiosamente antes de escrever esse artigo o significado que gerou polêmica da palavra professora constava no dicionário Michaelis on line. Hoje, não mais. Ao que parece o politicamente correto continua a fazer estragos. Coitada da semântica.

*Celso Correia da Silva Júnior é amigo e colaborador do Blog O Calçadão

Governistas querem saber o que faz o vice-Prefeito


Imagem google/Lateral do palácio do Rio Branco

Ocupando um gabinete logo abaixo do gabinete do Prefeito Nogueira (PSDB), o vice Carlos Cezar Barbosa (Cidadania) deixou claro na semana passada que é oposição ao Prefeito, ao participar do lançamento de uma frente de centro-direita chamada "Todos por Ribeirão", que integra o ex-Juiz Gandini, pré-candidato a Prefeito pelo PSD.
  
O vereador governista Rodrigo Simões (PDT) quer aprovar projeto de lei que obriga a publicidade da agenda do vice alegando que a população tem o direito de saber o que faz diariamente a segunda figura da administração pública municipal.

Projeto de Lei 192/2019 "DISPÕE SOBRE A TRANSPARÊNCIA NA DIVULGAÇÃO DAS AGENDAS DE TRABALHO DO PREFEITO E DO VICE-PREFEITO POR MEIO DA REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES, NO PORTAL DA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO PRETO CONFORME ESPECIFICA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS."

Na justificativa o vereador argumenta o seguinte:

... “que o Prefeito e o Vice-Prefeito publicam diariamente suas respectivas agendas, de forma transparente, indicam que não têm nada a esconder.”

“O Vice-prefeito é o segundo em exercício no cargo do executivo municipal, e ele pode e deve exercer função dentro da administração municipal, ocupando a estrutura física da Prefeitura, bem como têm a sua disposição Servidores Municipais para a devida assessoria e boa execução de suas obrigações. 
Destacamos ainda o fato do vice-prefeito ter direito ao recebimento de dinheiro público para exercer suas atividades, o que o obriga, moralmente, a dar conhecimento da sua agenda, para que o cidadão fique atento para a qualidade de trabalho que tem sido desempenhado por ele durante o mandato."

Pelo jeito Nogueira quer saber o que de fato acontece em baixo dele no Palácio Rio Branco, pois o que vem de baixo pode, sim, atingir.




Equipe técnica, ligada ao Conselho Municipal dos Direitos da Mulher, está desenvolvendo estudo para a elaboração de políticas públicas que atendam as mulheres em Ribeirão Preto.

Equipe técnica está realizando estudo profundo e técnico para propor Políticas Públicas paras as Mulheres, em Ribeirão Preto. Fotos: Sil...