quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Está na hora de retomar o grito, o Brasil não suporta mais a tragédia que veio com o golpe!


O desgoverno Temer/PSDB é a maior tragédia ocorrida com o Brasil nos últimos 50 anos!


E ele é o resultado de um golpe arquitetado contra o mandato legítimo da Presidente Dilma, com a farsa do impeachment sem provas.

O resultado trágico e perverso que começou a ser montado antes da eleição de 2014 com o intuito de derrotar o projeto nacional de desenvolvimento e inclusão proposto pelo PT desde a vitória em 2002.

A nacionalização do pré sal feita por Lula em 2009, colocando a Petrobrás na linha de frente da prospecção das jazidas e valorizando o conteúdo nacional, frustrando o interesses das gigantes internacionais, foi o estopim do processo de golpe.

Neste ponto, surge o primeiro núcleo golpista: a aliança entre a mídia e o PSDB para derrotar o PT em 2014. Essa aliança tinha e tem a 'República de Curitiba', e tudo o mais que a instrumentaliza, como braço de atuação.

O velho e surrado discurso moralista, seletivo 'contra a corrupção' é novamente reativado. Um novo 'juiz vingador' surge no cenário.

Tudo estava armado para a vitória de Aécio em 2014.

Mas a vitória de Dilma obrigou o golpismo a ir além, buscar um novo plano, que incluiu atentar contra o mandato da Presidente eleita.

O caminho?

Insuflar a traição do PMDB, o rompimento da aliança formada desde o segundo mandato de Lula.

O mecanismo?

A chantagem.

Dilma é uma mulher honesta, nunca compactuou com a corrupção. Importante lembrar que já no seu segundo mandato, em 2012, Dilma cortou os canais de propina de Eduardo Cunha (o hoje esquecido Cunha) na Petrobrás e em Furnas, criando um inimigo.

Lembremos da frase de Romero Jucá no grampo: "Cunha é Temer...".

Pois então, com Dilma se recusando a intervir na Lava Jato, o PMDB se tornou um alvo fácil. Ou rompe com o PT ou será a próxima vítima dos 'justiceiros' de Curitiba.

Claro que tudo foi facilitado pelos incríveis erros cometidos por Dilma no início de seu segundo mandadto, sendo Joaquim Levy o maior deles.

Pimba! Estava montado o golpe completo, a farsa do golpe parlamentar, um impeachment sem voto aprovado por um Congresso refém da chantagem, legislando para salvar a própria pele, e referendado por um STF de joelhos para o canhão da mídia e seu exército de coxinhas paneleiros vestidos com a camiseta da seleção.

Sobre os rastros de uma democracia ferida surge o desgoverno Temer/PSDB. Surge o 'projeto 'ponte para o futuro', o mais brutal avanço das elites sobre a soberania nacional e os direitos fundamentais do povo trabalhador.

Um governo sem voto reaplica uma agenda neoliberal que só promove pobreza, desigualdade e morte. Destrói as aposentadorias e benefícios dos idosos, ameaça os direitos de proteção trabalhista, entrega as maiores riquezas ao capital estrangeiro, destrói a engenharia e o setor produtivo.

São quase 300 dias de desgoverno Temer/PSDB, além dos quase dois anos que esses golpistas impediram Dilma de governar, e o Brasil enfrenta um crise gigantesca, com recorde de desemprego e falências.

O crédito público desaparece e os orçamentos são engessados por 20 anos, apontando no médio prazo a destruição da saúde e educação públicas.

Enquanto o mundo da sinais de recuperação, o Brasil afunda, nos braços de um desgoverno comandado por rapinadores do patrimônio nacional e corruptos dos porões da política, encabeçado por um incompetente.

Está na hora de retomar o grito: Fora Temer, Fora PSDB!

O Brasil só superará essa tragédia com eleições gerais e novo pacto constitucional. E o Fora Temer ganhará força na unidade entre trabalhadores e setor produtivo, contra um retrocesso que está destruindo a todos.

#Fora Temer, já! Em defesa do Brasil e da democracia!

Blog O Calçadão

Nenhum comentário:

Postar um comentário