domingo, 4 de fevereiro de 2018

POLÍCIA MILITAR E TROPA DE CHOQUE REALIZAM DESPEJO SEM ORDEM JUDICIAL NA REGIÃO DE RIBEIRÃO PRETO.*


Tropa de choque realizaou, ontem, em Serrana, ação de despejo sem ordem judicial.

No início da noite deste sábado (03), as famílias do acampamento Alexandra Kollontai, localizado no município de Serrana, na região de Ribeirão Preto, foram violentamente retiradas da fazenda Martinópolis, que ocupavam desde a manhã do mesmo dia.



A polícia militar e a tropa de choque, além de agirem com truculência e violência desnecessária para com as 200 famílias sem terra, não apresentaram ordem judicial para o despejo, apenas uma decisão judicial do ano de 2016 que não possui mais validade no processo, já que cada ocupação constitui um fato novo, segundo a direção do MST na região.

A área acumula dívida milionária por sonegação de impostos, e recentemente o juízo da vara de execuções fiscais da comarca de Ribeirão Preto decidiu pela arrecadação para fins de reforma agrária, como informa nota publicada pela manhã. 
Sem ordem judicial, a polícia agiu claramente a serviço do agronegócio e dos antigos proprietários da fazenda, a falida Usina Martinópolis. Esta ação arbitrária da PM de Ribeirão Preto, comandada pelo Cel. Humberto Golvea Figueiredo, evidencia as tensões agrárias da região, chamada de capital do agronegócio brasileiro por usineiros e ruralistas.

Dentre as diversas ações do MST para reivindicação da fazenda, estão mais de 20 ocupações ao longo de 9 ano de luta intensa. A ocupação desta manhã anunciava a conquista da área, e mesmo com a ação truculenta da polícia para criminalizar o movimento na região, as famílias seguirão o objetivo de construir o assentamento e cultivar a agroecologia no local. 

_Coletivo de Comunicação MST-SP_

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os direitos humanos e a nossa vida. Por que defendê-los? Parte 2

No primeiro artigo da série "os direitos humanos e a nossa vida" ( que você pode ler aqui ) nós fizemos um apanhado sobre o hi...