quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

É a Política e não uma pessoa ou um governo!

Em Atenas, quem não participava da vida na Polis (cidade) era considerada uma pessoa estranha das demais, um ser deficiente ou um idion/ideotes, o que hoje seria um idiota.

Uma sociedade que não se envolve ou não se engaja na política é uma sociedade doente.

Acho muito importante que alguns amigos estejam preocupados com os altos preços do legumes e hortaliças, pois isso mostra que estamos presentes com a nossa indignação quando os preços dos alimentos tão necessários à nossa vida fogem do controle. Tem de ser assim mesmo, se está ruim, temos de criticar.

Agora, atribuir os altos preços do momento ao PT ou ao governo Dilma sem fazer uma reflexão sobre o modelo de produção agrícola é de uma estupidez digna daqueles que nunca se importaram com a política e agora estão sendo usados para destruir todo o avanço conquistado nos últimos anos e que gerou milhões de empregos e tirou milhões de pessoas da fome no Brasil.



Até pouco tempo, os agricultores que por ventura perdiam suas colheitas por uma forte chuva, pela seca ou por uma geada, perdiam as suas terras para os bancos que as confiscavam, realidade que levou ao desaparecimento de milhares de pequenos produtores, aqueles que produzem o alimento da mesa do trabalhador.

Praticamente não há plantações de alimentos ao redor das cidades e o financiamento da agricultura familiar, aquela que produz os alimentos do dia a dia, não chegam nem próximo daqueles destinados ao agronegócio.

O agronegócio é uma praga que serve para engordar porcos capitalistas no Brasil e animais na Europa e EUA. O agronegócio, fruto da chamada 'revolução verde' imposta pelos EUA nos anos 60, espalha pelo mundo os agrotóxicos, o monopólio das sementes estéreis da Monsanto, determina o preço dos insumos e produtos e impõe decisões sobre o que, quando, onde e como produzir e comercializar.

Recentemente, um grupo de pesquisadores brasileiros escreveu a seguinte mensagem aos líderes mundiais:

A transgenia é uma ameaça aos camponeses, à soberania alimentar, à saúde e à biodiversidade no planeta. Ela reduz a produtividade e aumenta o uso exponencial dos agrotóxicos. É um instrumento chave para facilitar a maior concentração corporativa da história da alimentação e da agricultura. Seis empresas transnacionais controlam a totalidade dos transgênicos semeados comercialmente. Como resultado do avanço da industrialização da cadeia alimentar nas mãos das corporações do agronegócio, aumento o número de desnutridos e obesos, que agora é sinal de pobreza e não de riqueza. O sistema agroindustrial produz apenas 30% dos alimentos do mundo, mas usa 80% das terras e consome 70% da água. A tecnologia transgênica é uma técnica inexata sobre a qual não se tem controle de suas consequências.


Empolgados pela chamada 'onda conservadora', a bancada ruralista no Congresso Nacional é a maior entre os 513 deputados. Eleitos pelo dinheiro empresarial e liderados por gente como Eduardo Cunha e Ronaldo Caiado, os ruralistas são a maioria na operação lava jato, coisa que não sai na mídia tradicional e não ganha o clamor da opinião pública.


Estamos passando por um momento complicado no discernimento das coisas públicas. Não basta tirar um e colocar outro no lugar. Não é através do ódio que serão construídas alternativas para a sociedade. Todos nós temos o direito de criticar e opinar sobre política, mas é necessária uma reflexão maior para não cairmos nas armadilhas plantadas do senso comum.

Paulo Honório é fotógrafo, estudante de Sociologia e membro do Grupo de Autogestão Habitacional de RP

Nenhum comentário:

Postar um comentário