domingo, 6 de agosto de 2017

Bancada BBB é a grande força política pós-golpe!


São, ao todo, 373 deputados que congregam a chamada bancada BBB: Boi, Bala e Bíblia.

Seus interesses e representantes sempre existiram, mas nunca em um nível de articulação e operacionalidade unificada como agora.


Estiveram presentes como forças isoladas nos governos FHC, Lula e Dilma, mas sempre tiveram outras forças contrárias que davam um certo equilíbrio ao sistema de alianças e de disputas políticas.

Mas, a partir do golpe de 2016, ou melhor, a partir da atuação de Eduardo Cunha em 2014 e 2015, através de um sistema concatenado de financiamento empresarial e de um objetivo de poder e exercício do poder de maioria, que essas forças se uniram e hoje se constituem como o maior poder político do Brasil.

Vivemos, desde 2013, quando o teor das manifestações foi sequestrado e distorcido pela mídia, um avanço do discurso reacionário e intolerante.

Fenômeno brasileiro e mundial.

Figuras identificadas com esse discurso surgiram com força no campo político, no campo midiático e no campo jurídico nos últimos três anos.

A suspensão das garantias do Estado Democrático de direito é tolerada por esse pessoal sob a justificativa da realização de um  'justiçamento', segundo eles, necessário para 'limpar o país'.

Esse é o período que estamos vivendo.

Mídia, política e judiciário operando juntos para a construção de um país menos tolerante, mais desigual, com menos direitos e com menos condições de realizar um projeto nacional soberano.

Tratoram as políticas de direitos humanos e minorias, desrespeitam a legislação de proteção de terras indígenas, buscam intimidar professores em sua liberdade de cátedra, entregam bilhões de barris em jazidas de petróleo e transformam a política em um sindicato de defesa de seus interesses.

E quem paga a conta é a população mais pobre e mais desprotegida.

Hoje, não há nenhuma força política capaz de enfrentá-los no campo institucional.

A possibilidade de confrontá-los só existe no campo social e popular, mas em condições bastante adversas, já que os instrumentos de mídia tradicional operam ao lado deles e o fisiologismo político que representam e executam é de extremo interesse do grande capital.

O Brasil que sorria ao mundo nas covinhas de Lula em 2009 hoje é um país que rosna e pragueja com uma bíblia debaixo do braço, um latifúndio sob os pés e um revolver na cintura.

E essa realidade nasceu de dentro do processo de cerco e fustigamento de Lula e seu legado, operado por um sistema golpista que tomou corpo único em 2014/2016.

É de impressionar que, dentro desse cenário, Lula apareça cada vez mais líder das pesquisas eleitorais.

Esse é um sinal extraordinário de que, apesar de tudo, a memória de uma país mais justo e feliz empolga amplas massas, mesmo que essas massas sejam diariamente bombardeadas pela mídia hegemônica.

Eis o caminho, eis o fio da meada para disputar na sociedade os rumos do país e a disputa que se avizinha de hoje para 2018: apostar nas covinhas de Lula.

Mas não as covinhas de 2009, mas as covinhas de 2016, dentro de um novo projeto de país que sustente não apenas o desenvolvimento e a inclusão social, mas que também sustente a disputa política na sociedade e que busque romper amarras e sistemas arraigados historicamente, como o sistema de mídia, por exemplo.

Ricardo Jimenez

Nenhum comentário:

Postar um comentário