sábado, 5 de março de 2016

Votou no Aécio e xinga quem defende o Lula. Entendendo a cabeça dos coxa!

Eu respeito profundamente tanto o eleitor de Aécio quanto o de Dilma, quando ele merece respeito. Mas o coxa padrão Fifa, aquele indignado seletivo, esse não respeito.

O indignado verdadeiro analisa todos os lados, lê e se informa por todas as fontes e, principalmente, procura ser honesto nos seus argumentos. Não é o caso do coxa clássico, aquele que vez ou outra cai de pára-quedas nas nossas postagens de redes sociais xingando e se colocando como paladino da moral.

A ideia aqui é buscar analisar a cabeça desse coxa padrão fifa, ou padrão Veja, ou padrão Jornal Nacional.


Esse coxa clássico é um fenômeno das redes sociais. O Revoltados Online, o mais nonsense, obtuso e proto-fascista dos movimentos coxinhas, tem mais de 1 milhão de seguidores. O coxa clássico descarrega pelos dedos seu ódio seletivo acumulado em horas de Jornal Nacional e em leituras noturnas da revista Veja. Às vezes, saem às ruas em bando vestindo camisas da CBF e tirando fotos com PMs. É um fenômeno típico classe média paulista e zona sul carioca, mas que também tem reflexos em outros estados.

Interessa à mídia a à oposição golpista fazer as pessoas acreditarem que o que se faz hoje no país é 'combate à corrupção'. Assim, conseguem dar uma capa de popularidade ao golpe anti-democrático que estão armando. Como nosso sistema de mídia é monopolizado (além de sustentado com dinheiro público), muitos cidadãos bem intencionados acabam verdadeiramente enganados. Isso é natural e é o que temos de combater com nossos mecanismos de mídia alternativa.

Mas esse não é o caso do coxa clássico. O coxa clássico é desonesto consciente. É um anti-petista empedernido e aliado da grande mídia. Ele sabe que a mídia é o verdadeiro partido de oposição do país e segue seus comandos com o objetivo de derrubar o PT. Apenas isso.

O coxa clássico votou em Aécio por gosto, por convicção. Para ele tanto faz se o camarada está numa lista de furnas, num helicóptero, num aeroporto da fazenda do avô ou se ele é ou não delatado em uma dessas 'investigações' que se realizam hoje em dia.

Ao ser pego 'no pulo' com seu voto em Aécio e em sua indignação seletiva, ele vem com a defesa de praxe:"sou apartidário e quero o bem do Brasil".

O coxa clássico é parceiro da Lava Jato porque sabe que ela é uma investigação anti-petista, simples assim. Se o Eduardo Cunha assumir a Presidência da República no lugar da Dilma, o coxa padrão Fifa soltará fogos. Se o Cunha baixar uma norma criando o dia do orgulho hétero e criminalizar o 'gayzismo', o coxa terá um orgasmo.

A verdade é que não devemos perder muito tempo com o coxa leitor da Veja. Para este ser social, trocar Joaquim Barbosa por Sérgio Moro como xerife anti-petista idolatrado é apenas uma questão da mídia mandar que o faça.

Devemos é disputar a opinião pública capaz de diálogo, aquela que todos os dias é massacrada por um sistema de mídia torpe e sem nenhum controle social. Esta opinião pública só é disputada com um mínimo de equilíbrio nos períodos eleitorais, quando as forças progressistas podem ter à disposição instrumentos de comunicação de massa.

Dialogar de fato com o povo é a nossa tarefa. Esse papel é dos partidos de esquerda, dos movimentos sociais e de todos nós. Isso é de fato fazer política!

Para o coxa clássico, padrão Fifa, padrão Eduardo Cunha, basta essa resposta: "você vota no Aécio e vem aqui encher o meu saco com conversa de corrupção? Vai catar coquinho".

Ricardo Jimenez

Nenhum comentário:

Postar um comentário