quinta-feira, 13 de julho de 2017

AFRONTE: ENEGRECENDO O INTERIOR PAULISTA




Por Laís Helena de Queiroz

O verbo no imperativo, muito mais que o nome de uma festa, é uma convocação à juventude negra ribeirão-pretana. A primeira edição, em outubro de 2016, foi uma aposta alta em uma nova leitura social da juventude negra globalizada, uma aposta na sintonização do interior e dos grandes centros na mesma frequência.


Ousado, Johnn William, idealizador da festa, junto com Danielle Marques, fez da AFRONTE uma inovadora combinação entre os valores do orgulho negro e a diversidade, cada vez mais latente, da juventude. Inicialmente, a ideia da festa surgiu como meio para financiar as atividades da iniciativa ROJUNE, que tem como finalidade a valorização da cultura negra nas regiões periféricas da cidade de Ribeirão Preto.

Crédito: Goiano Fotografia.
Da articulação para levantar fundos e da construção da mensagem antirracista e plural, a concepção da AFRONTE surge na ânsia por espaços cosmopolitas e despidos de qualquer intolerância racial, sexual, de gênero ou de credo, onde a negritude é traduzida em cada segundo de música, em cada detalhe da organização. Como um meio de empoderamento, a festa é voltada para a juventude negra, no entanto, todas as cores são bem-vindas. Com o intuito de criar laços comunitários e afetivos, pretendese fortalecer a comunidade negra da cidade, como também sincronizar diálogos com a juventude negra das grandes capitais do Brasil e do mundo.

O universo musical da AFRONTE conta exclusivamente com repertórios de artistas e ritmos negros, desde dos sucessos locais aos internacionais. Não há como negar que a AFRONTE possui influências da “geração tombamento”, uma nova geração que está mais preocupada em satisfazer suas vontades e necessidades de ser no mundo, ao invés de cumprir um protocolo social da moral e dos bons costumes. A liberdade do corpo é a regra, liberdade para a celebração do amor ao corpo preto, do amar os lábios grossos, o cabelo crespo, o nariz largo e a pele escura. Hoje, após 3 edições muito bem-sucedidas, AFRONTE chega a sua 4ª edição, menos de um ano após sua estreia.

Crédito: Goiano Fotografia
O tema é Identidade Preta (#idpreta) que lança o questionamento sobre o que é essa construção do eu do sujeito negro, que sempre foi construído como o outro inferior. Desse modo a temática propõe a desconstrução dos estigmas atribuídos à população negra e a reconstrução de uma identidade pautada na revalorização da cultura, da história e da estética negra.

A festa AFRONTE é parte da mudança que o movimento negro quer ver no mundo, é parte de um legado e de novos pensamentos sobre negritude, é sobre afrontar o racismo e demais opressões no nosso dia-a-dia, é sobre afrontar para o resgate da ancestralidade, é sobre afrontar pela existência e pela resistência. Escrito por Laís Helena de Queiroz.


Pontos de Venda:

Até quinta-feira: R$10,00

Sexta-feira: R$15,00


Mais fotos da Festa AFRONTE:

Crédito: Goiano Fotografia

Crédito: Goiano Fotografia.

Crédito: Goiano Fotografia.

Crédito: Goiano Fotografia.

Crédito: Goiano Fotografia.


Nenhum comentário:

Postar um comentário