sexta-feira, 28 de julho de 2017

Meirelles, o que guarda grana em paraísos fiscais, quer aumentar a contribuição previdenciária de servidores!


O milionário Ministro da Fazenda do desgoverno Temer estuda aumentar a contribuição previdenciária dos servidores federais de 11% para 14%.

É um aumento para melhorar a previdência pública? Não.

É um aumento para garantir recursos para a saúde e educação? Não.

É um aumento para garantir a seguridade social? Não.


É apenas mais um instrumento de aumentar a arrecadação para gerar recursos para o superávit primário, a grana que o governo deposita nos bolsos dos rentistas.

Importante lembrar que foi apenas nos governos de Lula e Dilma que o Brasil conseguiu produzir superávits significativos, manter a relação dívida/PIB em queda e ainda investir bilhões em obras e programas sociais responsáveis pela redução da desigualdade e a saída do Brasil do mapa da fome da ONU.

Mas, bastou que um conluio golpista se formasse para atentar contra um mandato legitimado por 54 milhões de votos, sabotando todas as iniciativas do governo Dilma, e instituísse um desgoverno voltado aos interesses do capital, para que o passado batesse novamente na porta dos brasileiros.

A dupla Temer/Meirelles está provocando o maior arrocho e a maior recessão em décadas, destruindo as bases de avanço conquistadas nos últimos 13 anos.

O desgoverno Temer, cuja economia é comandada por um agente do 'mercado', que ficou milionário dando 'consultoria' à banca e guardou os milhões em paraísos fiscais, busca retirar do trabalhador, do setor produtivo e dos servidores públicos o dinheiro necessário para cumprir os compromissos financeiros com o setor rentista.

O resultado é um desemprego de 13%, a aniquilação do parque industrial, a destruição das carreiras de Estado e a morte do país por inanição!

Enquanto isso, o Brasil segue pagando os maiores juros do mundo e a dívida pública segue em crescimento descontrolado.

O desgoverno busca se segurar na política, mas não haverá saída na economia.

Ricardo Jimenez

Nenhum comentário:

Postar um comentário