sexta-feira, 7 de julho de 2017

O golpe dentro do golpe está dado: Maia já se movimenta como Presidente e promete as reformas!


Foto: Brasil 247

O golpe contra o mandato da Presidenta Dilma foi arquitetado e executado por um conluio golpista que agora se reorganiza.


Teve a grande mídia em aliança com a Lava Jato buscando fustigar o PT e Lula. Teve o grupo político ligado a Temer, Cunha e Aécio buscando restringir a Lava Jato somente contra o PT. E teve a articulação da Casa Grande, dos interesses do capital, em derrubar um governo de cunho trabalhista e social para restabelecer a agenda neoliberal.

Certamente que os interesses do grande capital representa a parte mais forte e influente dentro do conluio golpista. E a turma de Temer, Cunha e Aécio a parte mais frágil, moralmente comprometida nos escândalos de corrupção.

A destruição dos aliados de Temer, incluindo Cunha e Gedel, e o desmascaramento da hipocrisia de Aécio, forçaram a Casa Grande a apelar para o plano B: derrubar Temer para seguir com as reformas, principalmente a trabalhista e a previdenciária, além da entrega do pré sal.

A resistência de Temer, ainda defendido por uma parte da Casa Grande, parece ter chegado ao fim.

A provável delação de Cunha e a também provável aceitação da denúncia do MPF pela Câmara colocam o governo Temer, desmoralizado dentro e fora do Brasil como algo morto prestes a ser enterrado.

A aceitação da denúncia afasta Temer por 6 meses e coloca Rodrigo Maia, Presidente da Câmara, no cargo.

Rodrigo Maia já se movimenta como Presidente. Fecha acordos com o setor financeiro, promete manter Henrique Meirelles na Fazenda e já promete as reformas.

O PSDB já está pronto para deixar o barco de Temer e subir no barco de Maia.

É o golpe dentro do golpe se desenhando.

Cabe agora ao setor do campo popular continuar buscando o diálogo com a população e as articulações por uma unidade de resistência à agenda neoliberal, ao combate ao governo Maia, que se avizinha, e pela construção de um projeto que se contraponha ao projeto neoliberal e que aglutine as forças do campo popular com vistas a 2018.

Ricardo Jimenez

Nenhum comentário:

Postar um comentário