sábado, 1 de julho de 2017

Após ser assada pelo fisiologismo político, para que serviu a Lava Jato?



Hoje a República brasileira tem um cérebro: Gilmar Mendes.

Ministro articulador do STF, ministro poderoso do TSE, principal conselheiro político de Temer, líder do PSDB no Senado e o pizzaiolo da Lava Jato.


Com a nomeação da nova chefe do MPF, Gilmar completa mais uma vitória e, a princípio, coloca uma pá de cal na Lava Jato.

Assim que, a partir dos movimentos do MPF, a operação se descolou de Curitiba e começou a implodir o núcleo do governo golpista, simbolizado na aliança entre Aécio Neves e Michel Temer, o mundo político fisiológico, um poderoso sobrevivente desde os tempos da ditadura, se mexeu.

Nada foi feito no sentido de frear os desmandos da operação enquanto ela só atacava o PT e Lula. Mas quando, a partir de um racha ainda um pouco claro dentro do sistema golpista, Janot apontou os canhões para Temer e Aécio, tudo mudou.

Nem mesmo o empenho da Globo em apoiar Janot contra Temer está dando resultado, pois parece que aqueles que vestiram a camiseta da seleção, em boa parte manipulados pela Globo, e que seriam o elemento humano a encher as ruas, estão em um período letárgico, recolhidos junto de suas panelas.

Da parte do campo progressista, que inclui as centrais sindicais e os movimentos sociais, a dificuldade está em levar para os atos o trabalhador não orgânico, que nunca esteve nas ruas e que, certamente, está confuso diante de uma pauta correta porém um tanto complexa: Fora, Temer; Diretas, já; reforma trabalhista; reforma previdenciária.

Diante desse quadro, o fisiologismo político opera e já tem alguns avanços claros em decisões do STF.

Qual o caminho a ser trilhado: manter Temer até 2018 e passar as leis de anistia ao caixa dois?

Em breve saberemos.

Porém, cabe a última pergunta: e Moro?

O único objetivo de Moro é atingir Lula e esse trunfo ainda está nas mãos do juiz.

Se Moro condenar Lula, sem provas, em primeira instância, duas conclusões: 1. a Lava Jato, em síntese, só terá servido para derrubar um governo, destruir a engenharia nacional e fazer perseguição política ao PT e a Lula; 2. restará claro para quem quiser ver que o fisiologismo político ainda impera e que nunca foi contra a corrupção.

O resultado prático disso para o campo progressista só será positivo se houver a possibilidade de construção de uma plataforma frentista, ampla, popular e democrática que chegue a dialogar com o povo. Nisso, sendo ou não candidato, Lula terá um papel fundamental.

Ricardo Jimenez


Nenhum comentário:

Postar um comentário